Uma mentira ecológica – o mito vegetariano

Texto extraído do blog Low Carb.

vegetarianmyth

SOBRE O MITO DE QUE O VEGETARIANISMO É ECOLÓGICO

Essa é tradução do capítulo um do livro: “O mito vegetariano: Alimentação, Justiça e Sustentabilidade” da escritora Lierre Keith. É uma reflexão pujante, de uma mulher que suponha estar fazendo o melhor em termos éticos e na compreensão do sofrimento da existência. Ela repara suas percepções, abandona um estilo de vida – que sabemos que dificilmente poderia ser saudável – mas principalmente recoloca o tema no devido espectro do que é mais árduo no existencial humano: participar da roda da vida! O ser humano, recluso em seu abjeto antropocentrismo, eventualmente quer se sentir mais próximo do divino – para isso nega e se afasta de sua biologia. Uma forma moderna da face perversa das sociedades “marianistas”, (referência ao fato de que Maria – a virgem – concebeu um filho sem o pecado original – e das diversas formas de celibato que tem como alvo a obtenção do perdão desse estigma inevitável – naquele tempo não comer carne era simplesmente não fazer sexo – na visão fundamentalista virou não comer carne de fato – afinal, nem todo mundo entende a leitura – impiedosamente metafórica – das escrituras, fábulas e outras formas de poesias…)

The Vegetarian Myth: Food, Justice and Sustainability

Tradução do capítulo um do livro:
O mito vegetariano: Alimentação, Justiça e Sustentabilidade

Vamos então ao texto:

Este não foi um livro fácil de escrever. Para muitos de vocês sei que não será um livro fácil de ler. Eu sei. Eu fui uma vegana por quase vinte anos. Eu sei as razões que me compeliram a adotar uma dieta extrema e elas são honradas, enobrecedoras de fato. Razões como justiça, compaixão, um desesperado e abrangente desejo de consertar o mundo. Para salvar o planeta – as últimas árvores que testemunham o passar do tempo, os restos de deserto que ainda nutrem espécies em desvanecimento, silenciosos em suas peles e penas. Para proteger os vulneráveis, que não têm voz. Para alimentar os famintos. No mínimo, para abster-me de participar do horror da agro-indústria.

Essas paixões políticas nascem de uma fome tão profunda que ela toca no espiritual. Ou elas eram para mim, e elas ainda o são. Eu quero que a minha vida seja um grito de guerra, uma zona de guerra, uma seta apontada e solta no coração da dominação: o patriarcado, o imperialismo, a industrialização, qualquer sistema de poder e sadismo. Se a imagem marcial aliena você, eu posso reformulá-la. Eu quero minha vida, meu corpo – se tornar um lugar onde a terra é valorizada, não devorada; onde o sadista não tenha qualquer espaço; onde a violência termine. E eu quero comer – uma necessidade primordial – mas que isso seja um ato que sustenta em vez de matar.

Este livro foi escrito para promover essas paixões, esse tipo de fome. Não é uma tentativa de ridicularizar o conceito dos direitos dos animais ou para zombar das pessoas que querem um mundo mais gentil. Em vez disso, este livro é um esforço para honrar os nossos mais profundos anseios por um mundo justo. E esses anseios – de compaixão, para a sustentabilidade, para uma distribuição equitativa dos recursos não são proporcionados pela filosofia ou prática do vegetarianismo. Temos sido desviados. Os flautistas vegetarianos têm a melhor das intenções. Eu irei expor agora o que eu vou repetir mais tarde: tudo o que dizem sobre a agroindústria é verdade. É cruel, esbanjador e destrutivo. Nada neste livro destina-se a desculpar ou promover as práticas de produção industrial de alimentos em qualquer nível.

Mas o primeiro erro está em assumir que essa prática agroindustrial – que é um mal com pouco mais de 50 anos de idade, signifique a única maneira de criar animais. Seus cálculos em matéria de energia utilizadas, calorias consumidas, de seres humanos em jejum, são todos baseados na noção de que os animais comem grãos.

Pode se alimentar os animais com grãos, mas que não é essa a dieta para a qual foram concebidos. Os cereais não existiam até que seres humanos domesticassem as vegetações anuais, no máximo, 12.000 anos atrás, enquanto os auroques, os progenitores selvagens da vaca doméstica, surgiram em torno de dois milhões de anos antes disso. Para a maioria da história humana, ruminantes e outros herbívoros não estiveram em competição com os humanos. Eles comiam o que o ser humano não pode comer – celulose – e a transforma em algo que poderíamos – proteína e gordura. Os grãos irão aumentar dramaticamente a taxa de crescimento de bovinos de corte (há uma razão para a expressão “Cornfed”) e a produção de leite das vacas leiteiras. Eles também irão matá-los. O equilíbrio bacteriano delicado do rúmen de uma vaca fica ácido e o transforma – fica séptico. Galinhas obtém a doença hepática gordurosa ao se alimentar exclusivamente de grãos, e elas não precisam de qualquer grão para sobreviver. Ovinos e caprinos, também ruminantes, deveriam realmente nunca ter contato com isso.

Este mal-entendido nasce da ignorância, uma ignorância que percorre o comprimento e a largura do mito vegetariano, através da natureza da agricultura e terminando na natureza da vida. Estamos em meio a um espaço urbano industrial, e nós não conhecemos as origens da nossa comida. Isso inclui os vegetarianos, apesar de suas reivindicações pela verdade. Isso me incluiu, também, por vinte anos. Qualquer pessoa que comeu carne estava em negação; eu encarei os fatos. Certamente, a maioria das pessoas que consomem carne de confinamento nunca se perguntou onde ou como foi feito o abatimento. Mas, francamente, tampouco a maioria dos vegetarianos.

A verdade é que a agricultura é a coisa mais destrutiva que os seres humanos têm feito para o planeta, e mais da mesma não vai nos salvar. A verdade é que a agricultura exige a destruição em massa de ecossistemas inteiros. A verdade é também que a vida não é possível sem a morte, que não importa o que você come, alguém tem que morrer para alimentá-lo.

Eu quero uma contabilidade completa, uma contabilidade que vai muito para além do que está morto no seu prato. Eu estou perguntando sobre tudo o que morreu no processo, tudo o que foi morto para conseguir que haja comida em seu prato. Essa é a pergunta mais radical, e é a única questão que vai produzir a verdade. Quantos rios foram represados e drenados, quantas pradarias e florestas foram derrubadas pelo arado, quanto solo virou pó e soprado para os fantasmas? Eu quero saber sobre todas as espécies, não apenas os indivíduos, mas toda a espécie – o chinook (raça de cachorro silvestre), o bisão, os pardais gafanhoto, os lobos cinzentos. E eu quero mais do que apenas o número de mortos e enterrados. Eu os quero de volta.

Apesar do que lhe foi dito, e apesar da seriedade dos escrutinadores, comer soja não vai trazê-los de volta. Noventa e oito por cento das pradarias americanas se foi, se transformou em uma monocultura de grãos anuais. O arado no Canadá já destruiu 99 por cento dos húmus originais. Na verdade, o desaparecimento da camada superficial do solo “rivaliza com o aquecimento global como uma ameaça ambiental.” Quando a floresta se transforma em carne, os progressistas ficam indignados, conscientes, prontos para boicotar. Mas o nosso apego ao mito vegetariano nos deixa inquietos, silenciosos, e, finalmente imobilizados quando o culpado é o trigo e a vítima é a pradaria. Nós nos abraçamos como um artigo de fé que o vegetarianismo era o caminho para a salvação, para nós, para o planeta. Como poderia ser destrutivo também?

Temos que estar dispostos a enfrentar a resposta. O que está aparecendo nas sombras da nossa ignorância e negação é uma crítica da própria civilização. O ponto de partida pode ser o que nós comemos, mas o fim é todo um modo de vida, um acordo global de poder, e não uma pequena medida de um apego pessoal. Lembro-me do dia na quarta série, quando Miss Fox escreveu duas palavras na lousa: a civilização e a agricultura. Lembro-me por causa do silêncio em sua voz, a seriedade de suas palavras, a explicação de que era quase uma oratória. Isso foi importante. E eu entendi. Tudo o que era bom na cultura humana fluiu a partir deste ponto: tudo com facilidade, de graça, com justiça. A religião, a ciência, a medicina e a arte nasceram, e a luta sem fim contra a fome, a doença, a violência poderia ser ganha, tudo porque os seres humanos descobriram como cultivar seu próprio alimento.

A realidade é que a agricultura criou uma perda líquida dos direitos humanos e da cultura: a escravidão, o imperialismo, o militarismo, as divisões de classe, a fome crônica e a doença. “O verdadeiro problema, então, não é explicar por que algumas pessoas demoraram a adotar a agricultura, mas por que alguém a tomou como ordinário, quando é tão obviamente bestial”, escreve Colin Tudge da Escola de Economia de Londres. A agricultura também tem sido devastadora para as outras criaturas com quem partilhamos a terra, e, finalmente, para os sistemas de apoio à vida do próprio planeta. O que está em jogo é tudo. Se queremos um mundo sustentável, temos de estar dispostos a examinar as relações de poder por trás do mito fundacional da nossa cultura. Qualquer coisa a menos e vamos falhar.

Questionar a esse nível é difícil para a maioria das pessoas. Neste caso, a luta emocional inerente resistindo a qualquer hegemonia é agravada pela nossa dependência da civilização, e em nosso desamparo individual para pará-la. A maioria de nós não teria nenhuma chance de sobrevivência se a infra-estrutura industrial desabasse amanhã. E nossa consciência está igualmente impedida por nossa impotência. Não existe uma lista de Dez Coisas Simples no último capítulo, porque, francamente, não existem dez coisas simples que vai salvar a terra. Não há uma solução pessoal. Existe uma rede interligada de arranjos hierárquicos, vastos sistemas de poder que têm de ser confrontados e desmantelados. Podemos discordar sobre a melhor forma de fazer isso, mas devemos fazê-lo, se é para a Terra ter alguma chance de sobreviver.

No final, toda a coragem do mundo será inútil sem informações suficientes para traçar um curso sustentável para a frente, tanto pessoalmente como politicamente. Um dos meus objetivos ao escrever este livro é fornecer essa informação. A grande maioria das pessoas nos EUA não produzem comida, muito menos fazem caça e coleta. Nós não temos nenhuma forma de avaliar o quanto da morte é personificada em uma porção de salada, um prato de frutas, ou um prato com carne. Nós vivemos em ambientes urbanos, no último sussurro das florestas, a milhares de milhas distantes de devastados rios, pradarias, zonas húmidas, e os milhões de criaturas que morreram para os nossos jantares. Nós nem sequer sabemos o que perguntar para ser descoberto.

Em seu livro “Long Life, Honey in the Heart”, Martin Pretchel escreve do povo maia e seu conceito de kas-limaal, que pode ser traduzido como “endividamento mútuo, mútua troca de fogo.” “O conhecimento que cada animal, planta, pessoa, vento e estação do ano está em dívida com o fruto de todo o resto é um conhecimento adulto. Para sair da dívida significa que você não quer ser parte da vida, e você não quer crescer para ser um adulto”, um dos anciãos explicou a Pretchel.

A única saída do mito vegetariano é através da prossecução de kas-limaal, do conhecimento adulto. Este é um conceito que precisamos, especialmente aqueles de nós que são apaixonadamente contra a injustiça. Eu sei o que eu precisava. Na narrativa da minha vida, a primeira mordida de carne após os meus 20 anos desse hiato marca o fim da minha juventude, o momento em que assumi as responsabilidades da vida adulta. Foi o momento em que eu parei de lutar contra uma álgebra básica da concretização: para alguém viver, alguém tem que morrer. Em que essa aceitação, com todo o seu sofrimento e tristeza, é a capacidade de escolher uma maneira diferente, uma maneira melhor.

Os ativistas – os agricultores têm um plano muito diferente do polemista-escritor para nos transportar da destruição com a sustentabilidade. Os agricultores estão começando com informações completamente diferentes. Eu ouvi ativistas vegetarianos afirmarem que um acre de terra pode suportar apenas dois frangos. Joel Salatin, um dos sacerdotes de uma agricultura sustentável e alguém que, na verdade, cria galinhas, coloca esse número em 250 por acre. Em quem você acredita? Quantos de nós sabemos o suficiente para ainda ter uma opinião? Frances Moore Lappe diz que se gasta doze a dezesseis libras de grãos para fazer uma libra de carne. Enquanto isso, Salatin cria gado com nenhum grão ao final, são ruminantes em policulturas perenes rotativa, construindo um novo solo ano a ano. Habitantes de culturas industriais urbanas não têm nenhum ponto de contato com grãos, galinhas, vacas, ou, nessa matéria, com o solo de vegetação. Nós não temos nenhuma base na experiência para superar os argumentos de vegetarianos políticos. Nós não temos nenhuma ideia do que as plantas, os animais ou o próprio solo comem ou quanto. O que significa que não temos ideia do que nós mesmos estamos comendo.

Confrontar a verdade sobre a agroindústria – torturante para animais, e com custo ambiental – foi para mim, aos dezesseis anos um ato de profunda importância. Eu sabia que a terra estava morrendo. Era uma emergência diária que eu tinha vivido desde sempre. Nasci em 1964. “Silêncio” e “Primavera” eram inseparáveis: três sílabas, e não duas palavras. O inferno era aqui, com as refinarias de petróleo do norte de New Jersey, o inferno de asfalto da expansão suburbana, na crescente onda de humanos afogando o planeta. Chorei com Iron Eyes Cody, ansiando por sua canoa em silêncio e em um continente não molestado nos seus rios e pântanos, aves e peixes. Meu irmão e eu gostávamos de subir uma macieira silvestre antiga no parque local e sonhar com alguma forma de comprar uma montanha inteira. Ninguém seria permitido entrar, nenhuma discussão seria necessária. Quem poderia viver lá? Esquilos, era tudo com o que eu poderia conviver. Caro leitor, não ria. Além de Bobby, o nosso hamster de estimação, esquilos eram os únicos animais que eu já tinha visto. Meu irmão, bem-socializado em sua masculinidade, passou a torturar insetos e visar pardais com estilingues. Eu me tornei vegan.

Sim, eu era uma criança muito sensível. Minha música favorita aos cinco anos – e agora você está autorizado a rir – era Mary Hopkin’s Those Were the Days. Que passado romântico e trágico eu poderia ter lamentado aos cinco anos de idade? Mas era tão triste, tão requintado; gostaria de ouvir a música mais e mais vezes até que eu ficasse exausta de tanto chorar.

Ok, é engraçado. Mas eu não posso rir da dor que senti sobre o meu testemunho impotente da destruição de meu planeta. Isso foi real e tomou conta de mim. E os vegetarianos políticos ofereciam uma salvação convincente. Sem a compreensão da natureza da agricultura, da natureza da natureza, ou, finalmente, da natureza da vida, eu não tinha como saber que apesar de seus honrados impulsos, isso seria uma prescrição para um beco sem saída, para a mesma destruição que eu ansiava parar.

Esses impulsos e ignorâncias são inerentes ao mito vegetariano. Por dois anos depois de voltar a comer carne, eu era obrigada a ler fóruns vegans online. Eu não sei por quê. Eu não estava procurando por uma briga. Eu nunca postei nada a meu respeito. Inúmeras pequenas subculturas, intensas têm elementos sectários, e o veganismo não é uma exceção. Talvez a compulsão tinha a ver com minha própria confusão, espiritual, política, pessoal. Talvez eu estivesse a revisitar a visão de um acidente: foi onde eu tinha destruído meu corpo. Talvez eu tivesse perguntas e eu queria ver se eu poderia segurar minha própria história contra as respostas que eu tinha anteriormente me prendido com vigor, respostas que tinha sentido serem justas, mas agora me sentia vazio. Talvez eu não saiba por quê. Isso tem me deixada cada vez mais ansiosa, irritada e desesperada.

Mas um post marcou como um ponto de mudança. Um vegan divulgou sua ideia de manter os animais livres de serem mortos – não por humanos, mas por outros animais. Alguém deveria construir uma cerca no meio do Serengeti (um ecossistema da África oriental), e separar os predadores de suas presas. Matar é errado e nenhum animal jamais deveria morrer, então os grandes felinos e caninos selvagens ficariam de um lado, enquanto os gnus e zebras viveriam em outro lado. Ele sabia que os carnívoros ficariam muito bem porque eles não precisam ser carnívoros. Isso foi uma mentira que a indústria da carne, afirmava. Ele tinha visto seu cão comer grama; por isso, os cães poderiam viver de grama.

Ninguém se opôs. Na verdade, outros opinaram. “Meu gato come grama, também”, uma mulher acrescentou, com todo entusiasmo. “O mesmo acontece com o meu! “ outro alguém postou. Todos concordaram que essa barreira seria a solução contra a morte de animais.

Note bem que o site para este projeto libertador era para a África. Ninguém mencionou a pradaria norte-americana, onde os carnívoros e os ruminantes têm igualmente sido extintos pelos grãos anuais que os vegetarianos abraçam. Mas eu vou voltar ao Capítulo 3.

Eu sabia o suficiente para entender que isso era insano. Mas ninguém mais no quadro de mensagens conseguia ver nada de errado com o esquema. Assim, na teoria de que muitos leitores não têm o conhecimento para julgar este plano, eu vou passar por isso.

Carnívoros não podem sobreviver com a celulose. Eles podem, ocasionalmente, comer grama, mas usá-la medicinalmente, geralmente como um purgante para limpar seus aparelhos digestivos de parasitas. Os ruminantes, por outro lado, evoluíram para comer grama. Eles têm um rúmen (daí, ruminantes), o primeiro de uma série de múltiplos estômagos que atua como uma cuba de fermentação. O que está realmente acontecendo dentro de uma vaca ou um gnu é que as bactérias comem a grama, e os animais comem as bactérias.

Leões e hienas e os humanos não têm sistema digestivo de um ruminante. Literalmente – dos seus dentes até a porção final, o reto – foram projetados para a carne. Nós não temos nenhum mecanismo para digerir a celulose.

Então, no lado do carnívoro da cerca, a fome vai devorar cada animal. Alguns vão durar mais tempo do que outros, e alguns ao final vão terminar seus dias como canibais. Os oportunistas vão ter uma festa de terça-feira gorda, mas quando os ossos forem encontrados limpos, eles vão morrer de fome também. O cemitério não termina aí. Sem herbívoros para comer a grama, a terra acabará por se transformar num deserto.

Por quê? Porque sem herbívoros, que literalmente, nivelam o campo, as plantas perenes amadurecem, e a sombra encobre o ponto de crescimento basal na base dessa planta. Em um ambiente frágil como o Serengeti, a decadência é principalmente física (intempéries) e química (oxidativo), não bacteriana e biológica como em um ambiente úmido. Na verdade, os ruminantes assumem a maior parte das funções biológicas do solo através da digestão da celulose e retornando os nutrientes disponíveis, uma vez mais, sob a forma de urina e fezes.

Mas sem ruminantes, a matéria vegetal se acumula, reduzindo o crescimento, o que começa a matar as plantas. A terra nua está agora exposta ao vento, sol e chuva, os minerais são levados para longe, e a estrutura do solo é destruída. Em nossa tentativa de salvar os animais, nós matamos tudo.

No lado do ruminante da cerca, os gnus e amigos vão se reproduzir de forma tão eficaz como sempre. Mas sem a verificação de predadores, haverá mais rapidamente herbívoros do que grama. Os animais vão superar sua fonte de alimento, comer todas as plantas possíveis, e depois morrerão de fome, deixando para trás uma paisagem seriamente degradada.

A lição aqui é óbvia, embora seja profundo o suficiente para inspirar uma religião: temos de ser comidos tanto quanto nós precisamos comer. Os herbívoros precisam de sua celulose diariamente, mas a grama também precisa dos animais. Ele precisa do estrume, com seu nitrogênio, minerais e bactérias; é necessária a verificação mecânica da atividade de pastejo; e ele precisa os recursos armazenados em corpos de animais e libertos pelas predadores quando os animais morrem.

A grama e os herbívoros precisam um do outro tanto como predadores de suas presas. Essas não são relações de sentido único, e não acordos de dominação e subordinação. Nós não estamos explorando um ao outro por comer. Estamos apenas nos revezando.

Essa foi a minha última visita aos fóruns vegan. Percebi, então, que essas pessoas que são tão profundamente ignorantes da natureza da vida, do ciclo mineral e das trocas de carbono, os seus pontos de equilíbrio em torno de um antigo círculo de produtores, consumidores e predadores, não estariam sendo capazes de me orientar ou, na verdade, tomar qualquer decisão útil sobre uma cultura humana sustentável. Ao girar a partir do conhecimento adulto, o conhecimento de que a morte está incorporada no sustento de toda criatura, a partir das bactérias aos ursos pardos, eles nunca seriam capazes de alimentar a fome emocional e espiritual que doía em mim de aceitar esse conhecimento. Talvez no final, este livro seja uma tentativa de acalmar o que me faz sentir essa dor.

This entry was posted in Textos and tagged , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.